Buscar
  • Matheus Brasilino

Sobre Tiradentes

E retornamos sobre a estigma e proteção do criador, sobre o dever de zelar pela verdade e bem comum. De antemão já gostaria de desejar a todos um excelente feriado e ao mesmo tempo lhes fazer uma pergunta: por que diabos comemoramos Tiradentes?


Alguns dirão que se trata de um dentista louco que saiu atirando em portugueses e foi martirizado por isso, outros falarão sobre democracia e liberdade. Mas qual é o verdadeiro significado da data e o que poderemos extrair de bom ou ruim de respectivo evento histórico?


Para compartilhar minha perspectiva, tal artigo será escrito, contribuindo humildemente com as informações que retive sobre o mesmo. Este texto também não será tão sério quanto os outros, dando abertura para uma perspectiva mais pessoal e subjetiva aos personagens narrados. Com as motivações e objetivos expostos, passamos ao argumento.


Se desejamos entender Tiradentes, precisamos primeiramente, entender o período colonial.


O Brasil, pelo contrário do que muitos dizem, foi muito bem colonizado por Portugal, que nos concedeu uma boa cultura, evangelizando os indígenas (que antes eram tribais doentios), e gradualmente civilizando o lugar. Não passamos pela cabala satânica holandesa, nem caímos no controle das forças de mercado britânicas e muito menos na conversão forçada dos espanhóis. De fato, dos poderes coloniais, o mais justo e o que menos errou foi o português, tendo apenas a escravidão africana como vergonha histórica, que de fato, sempre foi repudiada pela igreja.


No entanto, há um grande problema em se contentar com o status colonial: seu crescimento econômico estagna e conforme a população começa a crescer, as suas demandas não são atendidas devidamente. O Brasil conhece essa realidade mais do que qualquer outra nação. A situação ainda piora quando seus supostos mestres não fazem valer do seu esforço para causas maiores. Era para o império português ter sido muito maior do que foi, pois Cristo, na fundação do país, apareceu ao seu primeiro rei e decretou o destino de sua pátria, mas os pecados da corte impediram que se cumprisse, fazendo-os decadentes, fracos e endividados.


Tudo que nosso senhor disse ao Dom Afonso Henrique se cumpriu, mas infelizmente, Portugal, que era para ter sido uma justa e benevolente nação de missionários, se envaideceu. Almejando adquirir os recursos dos povos convertidos para si, se aliou com um Reino Unido maçônico e extorquiu aqueles a quem enviara as novas terras, sobre o argumento de subserviência colonial.


Da extorsão surge a pobreza e com o fracasso da União Ibérica, ficou ainda pior.

Então de 1780 até 1820, os brasileiros de todas as regiões, começaram a arquitetar revoltas, visando manter os recursos de sua pátria para si, para que tenham a chance de crescer. Se acontecesse nos tempos de hoje, iam colocar a culpa no brasileiro pobre por ter “filhos demais”. E nesse cenário entra Tiradentes: um líder natural pobre que ganhou sua fama como dentista, mas pela sua vasta virtude, subiu na hierarquia até alcançar um alto posto na cavalaria. (na época o exército era mais valorizado que o profissional da saúde)


Com as extorsões aumentando mais e mais e os brasileiros indo a miséria, a dissidência chegou até o alto escalão e então, a corte portuguesa para reagir a isso, nomeou novos líderes e retirou de cargos possíveis dissidentes, na qual, nosso protagonista, Tiradentes, foi envolvido, por conta de suas ideias nacionalistas.

Uma vez que tenha perdido seu emprego e era um revolucionário pobre, louco para fazer besteira, fez o que todo plebeu desesperado faz na ausência da fé: vendeu sua alma ao diabo, unindo-se a maçonaria.


Enquanto Portugal era um bom aliado dos ingleses, eles por outro lado, odiavam seus amigos católicos, desejando destruir toda a sua estrutura monárquica e instalar uma democracia fantoche, que fosse submissa as forças de mercado. E era através da sociedade secreta conhecida como maçonaria, que eles iriam alcançar isso.

Unindo-se com os mercadores corrompidos, Tiradentes passou a ser influente por toda a província de Minas Gerais e tinha como esperança libertar o Brasil do domínio português para que os brasileiros pudessem usar de seus próprios recursos e crescer.


Logo, a Inconfidência Mineira foi uma revolta de cunho nacionalista.


Certamente que a influência maçônica tinha, nas sombras, planos divergentes.

Eles queriam tornar esse “Brasil independente” uma colônia britânica disfarçada, impedindo a produção nacional para nos tornar reféns do capital estrangeiro.

Sempre me pergunto se a Inconfidência Mineira tivesse dado certo, qual das influências iria prevalecer. Teria Tiradentes matado os mercadores corrompidos, se proclamado ditador e libertado o Brasil de vez? Ou será que os mercadores matariam Tiradentes, colocariam um novo fantoche no lugar e gritariam “viva a liberdade”? Infelizmente, nunca saberemos.


As forças de espionagem coloniais descobriram a revolta antes que acontecesse e prenderem o dentista antes que pudesse gritar “Independência ou Morte”. A regente portuguesa na época, Maria, que era uma devota rainha católica, mas que sofria com perturbações psicológicas e espirituais, decretou que Tiradentes era um servo de satanás e ordenou a sua morte. Ela não estava moralmente errada, embora não tivesse razão na disputa política.


Tiradentes foi executado e os maçons fugiram, abandonando-o, para arquitetar novas revoltas e expandir o domínio das forças de mercado sobre o que um dia foi um império católico.


Concluo que de sua vida, podemos extrair bons pontos como seu desejo por independência, seu amor por essa pátria e sua iniciativa para se revoltar contra o domínio colonial, porém, não podemos desconsiderar que ele vendeu todos os seus valores para fazer tal ato e por conta disso, suas obras se desfaleceram pelo tempo e não permaneceram pela eternidade.


A igreja católica na época já sofria de certa covardia, então seus representantes jamais iriam comprar uma briga com Portugal para libertar o Brasil, mas isso não é desculpa para vender a sua alma. Era justamente nesse momento, que o dentista revolucionário poderia ter buscado a santidade, se tornado um mártir e pela fé, movido seus esforços para libertar nossa pátria.


Que aprendamos pelo seu exemplo a não cometer os mesmos erros, lutando sim para libertar o Brasil do capital estrangeiro (que ainda é muito presente e ainda nos prejudica muito) mas sem abandonarmos os valores que justamente fazem dessa pátria grandiosa como ela é.


Um feliz dia de Tiradentes a todos e honras e glórias ao Brasil.

8 visualizações0 comentário