Buscar
  • Matheus Brasilino

Poética - Desaparecendo

Atualizado: 12 de Set de 2020

Na mais alta torre da grandeza, contemplo a imensidão.

Meu fim se aproxima,

E tudo aparenta ter sido em vão.

A lamentação inesperada, me fez repensar.

Sobre tudo que foi perdido, sobre o que foi sacrificado.

E sobre quando tudo deu errado e tendeu-se a desabar.

Me confortava e me dava paz, era a minha gloriosa luz.

Luz cujo brilho deixei apagar, para continuar minha egoísta jornada.

Nunca busquei, conquistei ou encontrei nada igual.

Para consolar os erros desta alma fadada.

Penso na melhor maneira de me despedir.

Uma face triste, somente traria mais dor.

Lhe digo sobre meus arrependimentos, ou devo apenas ir?

O que deveria dizer antes de partir?

Deveríamos nos encontrar onde nos conhecemos?

O agora inóspito lugar não hospeda mais quaisquer visitantes.

Tento lhe chamar, busco agora mais que antes.

Volto a procurar, de novo a procurar, de novo a procurar.

Mas quem desapareceu fui eu.

Com todos os meus vícios e erros.

Eu me afundei a um mundo em que não me permite te alcançar.

Por isso não vou lhe encontrar, nunca mais irei lhe encontrar.

Não importa o quanto implore para rever sua luz em renascença.

Sou incapaz de sentir sua presença.

Seu olhar em ternura me mantinha de pé, era o que me mantinha são

Mas eu fui incapaz de perceber isso, me tornei o homem que fez tudo em vão.

E tudo que sobrou foi superficial, tudo que restou era sem razão.

Porque eu fui em luta por um tesouro, mas não percebi que no início já o tinha em mãos.

Por isso gostaria de dizer.

Eu e apenas eu, errei desde o início.

Eu e apenas eu, ofereci o que importava como sacrifício.

Eu e apenas eu, me condenei em essência e ofício.

O que me restou foi um mundo frio.

Um cenário solitário e superficial.

Estou desaparecendo e meu legado é vil.

Meu ser deixará de existir, meu corpo já desistiu.

Quando olho ao espelho, só vejo a expressão do vazio.

Caminhando por essas ruas, perdido em meio as lembranças.

Procuro-te desesperadamente.

Procuro-te desesperadamente.

Mas nunca vou lhe encontrar, estou sozinho entre as andanças.

E não importam quantos se aproximem, estarei sozinho entre as lembranças.

Partirei sozinho em nuanças.

Pois estou desaparecendo sem esperanças.

Eu e somente eu, reconheço agora mais do que tudo.

Eu e somente eu, não lhe alcançarei, contudo.

Estou desaparecendo.

E caminharei sozinho, tentando lhe encontrar.

Até minha hora final me alcançar.

26 visualizações0 comentário